“Pior caminho”, diz Bolsonaro sobre quem não cumprir decreto sobre serviços essenciais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) utilizou seu Twitter para mandar um ‘recado’ aos governadores que não concordarem com o decreto do governo em relação aos serviços essenciais. Bolsonaro disse que aqueles que forem contrários à medida, que entrem com ações na Justiça ou com Projeto de Decreto Legislativo via Congresso Nacional.

Nessa segunda (11), Bolsonaro incluiu algumas atividades comerciais entre os serviços essenciais, como academias, barbearias e salões de beleza. Para o presidente, é ‘questão de saúde e higiene’ manter os estabelecimentos abertos. No entanto, nem todos os estados e municípios prometem aderir ao decreto.

Belo Horizonte, por exemplo, decidiu seguir as orientações do Supremo Tribunal Federal (STF), que deu autonomia a governadores e prefeitos para determinar regras de isolamento social, quarentena e circulação de veículos em rodovias. Bolsonaro reagiu contrário aos estados e municípios que não aderirem ao decreto do governo.

“Afrontar o estado democrático de direito é o pior caminho, aflora o indesejável autoritarismo no Brasil”, escreveu o presidente.

Entre as atividades listadas como ‘essenciais’, já tinham os serviços de construção civil e de atividades industriais, além de indústrias químicas e petroquímicas de matérias primas ou produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas e produção, transporte, entre outros.(EM)

Categorias: Destaque

Comentários estão fechados